Translate

Busca

Pagina principal

Colaboradores do Belverede

segunda-feira, 22 de abril de 2013

Oração pelos amigos de Jó

Por João Cruzué 

Estive lendo outro dia o final do Livro de Jó, e uma coisa chamou-me a atenção: a dura cobrança que Deus fez aos três amigos do patriarca por causa das palavras maliciosas que falaram. Hoje voltei ao mesmo texto para concluir minha meditação. 

Por inveja do diabo Deus permitiu que ele fustigasse a Jó para que negasse o nome de Deus. Primeiro o diabo matou os filhos de Jó pela espada dos sabeus. Depois queimou as ovelhas e seus pastores com fogo vindo do céu. E ainda, incitando três bandos de caldeus para roubar os camelos e matar os guardadores. E por fim fez com que um grande vento derrubasse as paredes da casa onde os filhos de Jó estavam reunidos.

Mas não ficou só nisso. 

Jó ainda continuava fiel e temente a Deus. O diabo então pediu licença para tocar na saúde de Jó. Tão logo o diabo saiu, o corpo de Jó foi ferido com uma chaga maligna desde a planta do pé até o alto da cabeça.

A mulher de Jó ao ver tanta desgraça, aconselhou: Amaldiçoa a Deus e morre! 

A seguir, no mais profundo desespero, Jó recebeu a visita de seus três amigos mais íntimos: Elifaz, o tenamita; Bildade, o suita e Zofar, o naamatita. E eles ficaram em silêncio contemplando a profunda desgraça de jós por sete dias e sete noites. E passado este tempo, cada um começou a cobrar de Jó um concerto com Deus, porque chegaram os três a uma conclusão: Jó tinha pecados escondidos e Deus agora o estava castigando. 

Interessante é notar que depois do capítulo dois, o diabo volta para a penumbra e deixa de ser protagonista no texto, mas continua manipulando a visão das pessoas próximas de Jó para empurrá-lo na cova. Se ele forçou o vento e fez cair fogo do céu, se ele enviou demônios para levar os sabeus e os caldeus para destruírem os herdeiros e o patrimônio do patriarca, da mesma forma sou levado a entender que a fala da esposa e as repreensões dos três amigos mais íntimos tinham também a mão do gato do diabo. 

A Bíblia não fala do destino da mulher de Jó... (Confira o restante: Olhar Cristão).

__________ 

Comentário lá na postagem original:

João. 

Sua postagem me fez lembrar os primeiros dias em que descobri e naveguei pela Blogosfera Cristã. Por quê? Porque o conteúdo é edificante, um assunto conhecido, mas apresentado por um ângulo original. 

Eu já tive o desprazer de ouvir quem me “aconselhasse” a consertar minha vida diante de Deus, insinuando que meus reveses ocorriam por pecados escondidos e não confessados. Quando isto acontece, a angústia já existente por conta do problema aumenta mais. Diferente do Consolador, que nos aconselha de maneira a diminuir o peso do sofrimento até ficar livre dele por completo.

A oração de Jó por seus pseudos amigos e a mão de Deus libertando –o do cativeiro, me faz lembrar da oração de Salomão pedindo sabedoria para governar bem seus súditos. Duas orações em favor do próximo. Duas orações motivadas pelo amor verdadeiro, o amor desinteressado de 1 Coríntios 13. 

Causa alegria saber que Deus respondeu ambos, e foi além os abençoando de maneira inesperada, totalmente surpreendente: dobrou os bens de Jó através de donativos de seus verdadeiros amigos; dobrou o número de filhos de Jó; concedeu o maior volume de riquezas e o Q.I. mais privilegiado à época para Salomão (que já era homem rico e não pediu fortunas e não pensava em ter inteligência avantajada).

Divulguei no meu perfil do Facebook. 

Abraço. 

E.A.G.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Google+ Followers

Seguidores

Blogs com minha participação

Blogs parcerias em divulgação de links